Radiação solar: o que tem a ver com a energia solar?

Você já deve ter ouvido falar muito em radiação solar, mas certamente o assunto girava em torno dos cuidados que precisam ser tomado para proteger sua pele da exposição ao sol.

O que talvez você não saiba é que a radiação solar é fundamental para a geração de energia solar fotovoltaica. E mais: varia de cidade para cidade!

Nesse artigo, vamos apresentar alguns dados sobre a radiação solar no Rio Grande do Sul e no país, destacando as diferentes incidências em cada região e a relação com o rendimento de um sistema de energia solar.

Radiação solar no Rio Grande do Sul

Antes de falar do nosso estado em si, é importante considerar que a região sul é a que apresenta a pior radiação solar no Brasil. A diferença com as demais regiões, porém, não é tão grande assim.

O Rio Grande do Sul possui uma média de radiação solar relativamente boa, pois mesmo que no inverno a nossa radiação solar seja muito baixa, os meses de verão fazem a compensação. Isso deixa a nossa média próxima ao patamar das regiões tropicais brasileiras.

Dentro do próprio estado do Rio Grande do Sul existe algumas diferenciações. A região que possui maior destaque é a região da campanha, que faz fronteira com o Uruguai e a Argentina. Enquanto as demais regiões do estado possuem uma média anual de 14 MJ/m², a região da campanha apresenta uma radiação média de 16 MJ/m².

radiação solar
Fonte: Atlas Solarimétrico do Brasil

A radiação solar no Brasil

O Brasil possui um excelente potencial para a geração de energia solar, isso pode ser percebido até para os mais leigos no assunto. Já que é possível verificar que o sol sempre está presente na vida de nós brasileiros.

Um dado que sempre gostamos de destacar é que o pior local do Brasil para a geração solar fotovoltaica é melhor que o melhor local da Alemanha. Sendo que a Alemanha é um dos líderes mundiais na geração solar fotovoltaica.

Segundo o Atlas Solar Brasileiro, incide diariamente em nosso País entre 4.444 Wh/m² a 5.483 Wh/m². Está difícil de compreender esse números? Vamos a um exemplo:

Considerando que uma lâmpada de 100W consome 100W a cada hora ligada, se essa incidência fosse hipoteticamente convertida como energia elétrica em sua totalidade, a energia vinda do sol seria capaz de manter ligada de 44 a 54 lâmpadas de 100W a cada metro quadrado do país.

Para se ter uma ideia mais exata, cada metro quadrado do planeta recolhe o equivalente aproximado de energia a um barril de petróleo, por ano. Já parou para pensar quantos metros quadrados tem a Terra?

Apesar dessa condições favoráveis, o uso dessa tecnologia ainda é muito pouco aproveitado em nosso país.

Isso se deve ao fato de que foi apenas há alguns anos atrás, mais precisamente no ano de 2012, que foi regulamentada a geração distribuída de energia. Viabilizando a fonte mais indicada para esse tipo de geração, que é a solar fotovoltaica.  

Leia também: Entenda as vantagens da energia solar fotovoltaica

Diferença entre as regiões

Se você acha que a região nordeste possui a melhor radiação solar no Brasil, você está certo! Mas acredite, a diferença entre o nordeste e a região sul não é tão grande assim.

A região nordeste apresenta uma radiação global média de 5,9 Kwh/m². Já a região centro-oeste aparece em segundo lugar com uma radiação global média de 5,7 Kwh/m². Em seguida estão a região sudeste com uma radiação global média de 5,6 Kwh/m² e a região norte com 5,5 Kwh/m².

Por fim, a região sul aparece como a região com pior radiação solar, com 5,2 Kwh/m². Mas com uma diferença apenas de 0,7 Kwh/m² para a região mais ensolarada, que é a nordeste.

radiação solar
Fonte: Atlas Brasileiro de Energia Solar

A radiação solar é importante sim, mas não é tudo!

A radiação solar é muito importante para a geração solar fotovoltaica. Tanto que é um dos fatores que levamos em consideração na hora de fazermos o dimensionamento do sistema solar fotovoltaico para nossos clientes.

Porém, os módulos solares fotovoltaicos são fabricados para obter o aproveitamento máximo a uma temperatura de 25ºC. Cada grau acima desse, o módulo perde um pouco de rendimento.

Portanto, apesar da região nordeste apresentar a melhor radiação solar, os sistemas fotovoltaicos da região perdem rendimento devido às altas temperaturas.

Já o Rio Grande do Sul apresenta temperaturas médias mais próximas aos 25º Celsius, fazendo com que gerar energia solar fotovoltaica no Rio Grande do Sul seja tão vantajoso quanto no nordeste brasileiro.

Talvez, você inclusive já tenha pensado que investir em um sistema próprio de energia solar não valha a pena em virtude da menor incidência de radiação solar se comparado aos outros estados. Mas como dissemos acima, isso não é tudo.

Prova disso é que o Rio Grande do Sul, atualmente, é o estado que ocupa a segunda colocação no Brasil em potência instalada na geração distribuída, ou seja, aquela que é produzida pelos próprios consumidores finais de energia.Quer saber mais sobre energia solar fotovoltaica?

 

  • SEM UM SUBSÍDIO DO GOVERNO OU UMA LINHA DE FINANCIAMENTO
    É IMPOSSÍVEL MASSIFICAR ESTA RIQUESA PERDIDA.
    Por outro lado isso não passa de um sonho devido a interesses inclusive de privatização do sistema Eletrobrás .ANTES para facilitar a privatizacao, DEPOIS por lob dos novos propritarios.
    AS EMPRESAS FORNECEDORAS DE EQUIPAMENTOS FOTOGRAFIAS VOLTAICOS DEVERIAM MINIMISAR SEUS GANHOS PARA GANHAR NO VOLUME DE DEMANDAS, ou procurar deputados para que se criem projetos s de lei abrindo financiamentos subsidiados para a compra deste ouro jogado fora diariamente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *