Incentive Solar Day: BuildingUp vem ao evento falar como a arquitetura é aliada da energia solar

A sustentabilidade está no cerne da BuildingUp, empresa de arquitetura e engenharia de Ivoti, cidade do interior do Rio Grande do Sul. Fundada por dois amigos de infância que cruzaram seus caminhos novamente pelo interesse mútuo em construção sustentável, a BuildingUp é referência quando se trata de construção e reformas de empreendimentos com eficiência energética.

 

O Engenheiro Civil Plinio Schneider e o Arquiteto Diogo Dilly conversaram conosco sobre como surgiu a ideia da BulildingUp e como está a aceitação de seus clientes com a energia solar.

 

Plinio e Diogo são palestrantes confirmados do Incentive Solar Day no dia 22 de março no Sindicato dos Engenheiros do Rio Grande do Sul, em Porto Alegre.

 

Aproveite e garanta agora seu ingresso. As inscrições estão quase encerradas!

 

Confira a entrevista na íntegra:

 

 

Incentive Solar: Plinio e Diogo, como foi que vocês se conheceram e como foi o processo para se tornarem sócios na BuildingUp?

 

Plinio Schneider: Iniciamos nossa amizade ainda muito jovens. Começamos a estudar juntos por volta da quarta ou quinta série do ensino fundamental. Daí fomos colegas até o terceiro ano do ensino médio. As faculdades acabaram nos separando. Apesar de nós dois estudarmos na Unisinos, eu fui fazer engenharia e o Diogo foi fazer direito, que eram em partes separadas do campus.

 

Diogo Dilly: Eu larguei a faculdade e fui morar fora, quando voltei iniciei no curso de arquitetura. Nos meados da faculdade eu e o Plinio voltamos a nos encontrar com mais frequência e a sociedade se mostrou natural, já que tínhamos, além de uma grande amizade, ideias semelhantes desde a infância. O Plinio se formou antes e foi desenvolvendo alguns trabalhos por conta. Me formei um ano depois e daí abrimos o escritório juntos.

Incentive: A Building Up possui um foco muito grande na questão da sustentabilidade nos seus empreendimentos, como foi que vocês começaram a se interessar por essas questões?

 

Plínio: Durante a faculdade muito já pensávamos nisso, tanto que o meu trabalho de conclusão de curso ficou um pouco diferente da maioria dos colegas de engenharia, ao invés de falar de concreto ou métodos construtivos, elaborei a dissertação sobre eficiência energética, ao firmarmos a sociedade sabíamos que teríamos que além de prestar um serviço diferenciado, procurar um nicho para nos encaixar e poder focar, a sustentabilidade era o caminho mais pertinente. (é, não temos o discurso clichê de que queríamos “salvar o planeta”).

 

Diogo: Sempre me interessei muito pela arquitetura que integrasse a intervenção ao local de inserção. Logo no início do curso comecei a projetar telhados verdes nos meus trabalhos. Com o tempo fui cada vez mais me guiando pelos conceitos da arquitetura bioclimática, dando mais ênfase aos sistemas passivos de controle energético e conforto ambiental. Mais adiante, enquanto alguns colegas faziam especializações em renderização meu interesse estava na bioconstrução.

 

Incentive: Em relação a energia solar, quando foi que vocês começaram a trabalhar com essa tecnologia e como tem sido a aceitação de seus clientes para a geração própria de energia?

 

Plínio: Desde os primeiros projetos, sempre que possível, orientamos corretamente as inclinações dos telhados. Também sempre cogitamos esperar para o sistema, embora que, alguns anos atrás, ainda houvesse pouca informação e fornecimento para o sistema. Entretanto, o que impulsionou de fato tanto a implantação nos projetos como a aceitação dos clientes foi a questão legal que há pouco tempo começou a ser trabalhada com mais contundência por parte dos órgãos responsáveis e concessionárias. Além dos retornos de investimentos cada vez mais atrativos. Claro, como trabalhamos com soluções sustentáveis os clientes que nos procuram geralmente já possuem maior aceitação ou mesmo já vem com a ideia de implantar esse tipo de sistema.

 

Incentive: Como vocês veem o avanço da energia solar no Brasil e quais desafios ainda temos que enfrentar para nos tornar protagonistas mundiais desse tipo de geração?

 

Diogo: O crescimento é iminente. A cada dia que passa notamos novas tecnologias na área. Talvez um dos maiores desafios seja a operação dos sistemas que hoje estão sendo instalados. É importante saber que os sistemas cumprem com o que de fato é projetado, tanto por eficiência como para retorno do investimento.

 

Incentive: A energia solar é um ótimo exemplo de aplicação de sustentabilidade na construção civil por ser uma fonte limpa e renovável, mas quais outras técnicas vocês utilizam e que podem ser implantadas nos empreendimentos sem necessitar de grandes investimentos?

 

Plínio: Primeiramente pensamos a sustentabilidade na própria concepção do projeto, trabalhando com ferramentas BIM e nos baseando nos conceitos de arquitetura ecológica e sustentável. O próprio escopo do nosso trabalho, que é projeto integrativo, une dentro do escritório as soluções de engenharia e arquitetura. Essa integração nos permite desenvolver projetos com compatibilização extrema e isso gera uma diferença enorme na execução, principalmente se tratando de economia.

 

Além disso algumas alternativas básicas já utilizamos como premissa em qualquer projeto, como por exemplo cisternas para reaproveitamento hídrico, iluminação natural, ventilação cruzada. Artifícios como esses possuem um baixíssimo custo de implantação se comparado a quando não são previstos em projeto, porém podem trazer inúmeros benefícios ao uso e operação das edificações.

 

Leia também: práticas sustentáveis para você adotar hoje mesmo em sua residência

 

Diogo: Outra solução que utilizamos muito em projetos e que tem inúmeras funções nas edificações são os telhados verdes, que contribuem muito para o conforto ambiental interno, ou seja, maior eficiência energética do sistema de climatização.

 

Esse sistema também pode funcionar como reservatório de água e pode contribuir com a mitigação do efeito de ilha de calor. Quando projetado com acesso circulável aumenta a área útil e pode valorizar as visuais, além de humanizar os espaços do topo das edificações. Por conta de um maior controle térmico com menos oscilações, diminui a dilatação dos materiais e pode proporcionar uma vida útil maior para a estrutura.

 

Conheça a programação completo do Incentive Solar Day e outros detalhes do evento, clicando aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *