Perguntas

Energia Solar Fotovoltaica é uma fonte de energia renovável obtida pela conversão de energia luminosa em energia elétrica. A radiação solar é diretamente convertida em eletricidade e são utilizados módulos fotovoltaicos.

O raio solar é transformado em eletricidade em uma célula fotovoltaica, fabricada com materiais chamados de semicondutores. O mais utilizado é o silício. A luz solar é pura energia, composta de pequenos elementos denominados fótons. Quando os fótons atingem a célula fotovoltaica, parte deles é absorvida. Esses fótons despertam os elétrons do material semicondutor, gerando assim eletricidade.

Módulos Fotovoltaicos: São considerados o coração do sistema fotovoltaico, e são responsáveis pela conversão da energia solar em eletricidade. Os módulos funcionam de forma simples: um módulo solar é formado por um conjunto de células fotovoltaicas que possuem elétrons (partículas de carga negativa que giram ao redor dos núcleos dos átomos) e esses, por sua vez, ao serem atingidos pela radiação solar, movimentam-se gerando uma corrente elétrica.

Estrutura de Suporte: As estruturas de suporte são aqueles materiais projetados para, literalmente, suportar e servir de apoio aos módulos fotovoltaicos. A escolha do tipo de estrutura de suporte deve levar em conta o tipo de módulo fotovoltaico a ser instalado, a inclinação necessária a ele, o local de instalação e o material do qual é formado.

Cabos: A fiação é o que interliga os demais componentes do sistema e promove o fluxo de energia entre eles. Mais uma vez, os tipos de cabos a serem utilizados vão depender do tipo de módulo escolhido para o sistema, e da distância entre os componentes.

Inversor: Considerado o “cérebro” do sistema fotovoltaico, o inversor transforma a corrente contínua (CC) em corrente alternada (CA). Os módulos fotovoltaicos fornecem energia ao sistema na forma de corrente contínua, mas os aparelhos eletrônicos utilizam a energia na forma de corrente alternada, e, por esse motivo, torna-se necessária a utilização dos inversores.

A geração solar térmica consiste na transformação da energia do sol em calor para a utilização no aquecimento de água. Para captar essa energia são usados COLETORES solares.

Na geração solar fotovoltaica, a energia é diretamente convertida em eletricidade e, neste caso, são utilizados MÓDULOS solares fotovoltaicos.

Uma dúvida bastante comum que surge quando se trata de energia fotovoltaica é a diferença entre a célula, o painel e o módulo fotovoltaico.  A célula nada mais é que a unidade básica que forma um módulo fotovoltaico. Já os módulos são, normalmente, instalados em conjunto, formando assim um painel fotovoltaico.

Com o aumento das tarifas de energia elétrica no Brasil e o contexto de produção energética brasileira (dependente, em grande parte, de usinas hidrelétricas), investir em energia solar tornou-se uma excelente alternativa para pessoas e empresas.

A possibilidade de gerar a sua própria energia oferece uma proteção contra os aumentos tarifários e permite economia na conta de luz.

Também existem os fatores ecológicos e sociais. Questões relacionadas com a sustentabilidade do planeta (a energia solar é considerada uma fonte limpa e renovável) fazem da energia solar fotovoltaica uma opção ecologicamente mais consciente que as demais tradicionais de geração de energia.

Depende do tamanho e características do sistema bem como da forma como eles deverão ser montados nos arranjos. Um sistema de 1 kWp ocupa uma área de aproximadamente 7 m2 de painéis. No entanto, se estiverem inclinados sobre uma superfície plana como uma laje, um painel pode fazer sombra sobre o outro e eles deverão ficar afastados, exigindo uma área até duas vezes maior.

O custo de um sistema de energia solar fotovoltaico depende principalmente do tamanho e da complexidade da instalação.

A grande variação de preço entre os fornecedores é relacionada à qualidade dos componentes utilizados, o tamanho da empresa (empresas maiores tem mais poder de compra e compram mais barato) e a complexidade da instalação.

É necessário realizar uma solicitação de acesso numa loja comercial da concessionária de energia. O cliente deve formalizar a Solicitação de Acesso entregando para a concessionária os documentos exigidos na Norma Técnica de Microgeração Distribuída da própria concessionária.

O próprio cliente pode fazer esta solicitação, mas deve atentar para o fato de que o projeto necessita de documentos assinados por um Responsável Técnico devidamente enquadrado no CREA. Por isso a empresa instaladora é importante nesse processo.

Sim, desde que os pontos de geração e consumo estejam dentro da área de concessão de uma mesma distribuidora.

Sim. Tanto edifícios como condomínios residenciais podem instalar o sistema para abater o consumo das áreas comuns. Caso haja excedente, pode-se ainda aproveitá-lo para abater o consumo individual de cada condômino.

Caso tenha interesse em reduzir a conta de luz de um apartamento existem duas possibilidades. Uma delas é, com a anuência dos demais vizinhos, instalar os módulos no teto do prédio. A outra é gerar a energia em algum outro ponto, como uma fazenda ou casa de praia. A energia excedente gerada nesse ponto pode ser aproveitada para abater a fatura do apartamento. Isto só é possível quando o local onde ocorre a geração está na área de concessão da mesma distribuidora que fornece energia ao apartamento.

A vida útil de uma instalação fotovoltaica gira em torno de 20 a 25 anos.

É comum as pessoas pensarem que a energia solar fotovoltaica servirá de backup (reserva) caso quedas de energia aconteçam. Este é um pensamento equivocado. Os inversores grid tie (conexão à rede) funcionam de forma sincronizada com a rede elétrica e dependem dela para funcionar. Esta é inclusive uma medida de segurança para não ferir técnicos de manutenção que desligam a rede para efetuar um reparo.

Sim, os financiamentos podem reduzir bastante a necessidade de desembolso inicial e possibilitar ao investidor utilizar a economia da conta de luz para pagar gradativamente seu sistema fotovoltaico.

Não, infelizmente a maioria das distribuidoras de energia irão lhe cobrar um mínimo para estar conectado na rede e além disso tem a taxa de iluminação pública que é cobrado na conta também. Mas você consegue reduzir em até 90% o que você paga na conta de luz com o seu sistema solar fotovoltaico.

Não, se você produzir mais energia do que consumiu esta energia excedente vai virar um crédito para você e esses créditos tem 60 meses de validade contando do mês que foi criado. Ou seja, quando for calcular o tamanho do seu sistema fotovoltaico calcule para que ele não produza por ano mais energia do que você normalmente consome.

Sim. Os sistemas fotovoltaicos não precisam de um dia de céu limpo com muito sol para operar. Na verdade, mesmo em dias nublados eles produzem energia elétrica, porém numa intensidade menor do que em dias claros.

Não, os sistemas fotovoltaicos não produzem barulho, já que, neles, a energia elétrica não é gerada a partir de movimentos mecânicos.

Sim. Os sistemas fotovoltaicos possuem softwares que monitoram online e em tempo real a produção de energia dos módulos solares fotovoltaicos. O proprietário consegue monitorá-lo remotamente através do celular, tablet ou desktop.

Continua com alguma dúvida? Entre em Contato conosco e tire sua dúvida!